VillaseGolfe
· Saúde&Bem Estar · · T. Maria Amélia Pires · F. Alex Filz

Mohr Life Spa

A luxuosa omnipresença da montanha

Situado na impressionante paisagem do Tirol, em Lermoos, na Áustria, com a montanha Zugspitze no horizonte, o Mohr Life Resort ganhou recentemente um novo espaço de bem-estar cujo traço arquitetónico é do atelier noa* (network of architecture). Inspirado na deslumbrante natureza circundante, este novo espaço pretende manter um diálogo direto com a morfologia, a cultura e a história do local. Construída numa encosta suave, logo abaixo do hotel, a nova área de bem-estar possui 600 m2 e oferece vistas sobre o vale Ehrwalder Becken e sobre a imponente montanha, a fronteira geográfica entre a Áustria e a Alemanha. Foram, aliás, a beleza, a força e a sumptuosidade de Zugspitze a inspiração para este projeto. A nova área de bem-estar foi concebida como uma plateia de um teatro, o local ideal para admirar essa extraordinária obra-prima da natureza.

O vidro conecta visualmente os ambientes internos com os externos e permite o reflexo da majestosa paisagem.

O piso térreo compreende um lounge privativo, um lobby com um bar, o spa propriamente dito e uma sauna panorâmica, para além dos balneários. Uma escadaria cénica em espiral indica o centro do edifício e leva ao primeiro andar, onde os hóspedes se deleitam com dez etapas de tratamentos. No exterior, uma enorme piscina infinita é a extensão natural da área de bem-estar, assim como as seis caixas sobre a piscina, que funcionam como ilhas e são o local perfeito para o relaxamento e imersão na natureza. As áreas de relaxamento, como camarotes de teatro com vista para a montanha, incluem duas espreguiçadeiras com designs diferentes, e outros elementos decorativos criados especialmente pela noa e fabricados por artesãos.
A estrutura do edifício é composta por cubos simples de concreto e vidro, sendo que este último, ao mesmo tempo que conecta visualmente os ambientes internos com os externos, permite o reflexo da majestosa paisagem. De longe, as diferentes formas do edifício praticamente desaparecem, já que o que se vê é uma tela que espelha a gigantesca silhueta de Zugspitze, que muda de tonalidade à medida que a luz do dia se transforma. No interior, as cores e os tecidos foram inspirados nos palcos do teatro: o algodão e o veludo suave estão mergulhados em tons quentes de bordeaux.

T. Maria Amélia Pires
F. Alex Filz