Agnieszka Kijonka

Do futuro do setor imobiliário

António Rebelo de Sousa

Opinião Anterior
Agnieszka Kijonka

O que aumenta o valor do seu imóvel?

Agnieszka Kijonka

Próxima Opinião

Há 50 anos por Portugal

André Jordan

Fundador do André Jordan Group

André Jordan

Vim viver em Portugal em 1970 porque depois de haver visitado o país enquanto o meu pai viveu no Estoril e passado aqui algum tempo a tratar da liquidação dos seus negócios, depois da sua morte em 1967, fiquei convencido, após experiência na Argentina e no Uruguai, nos Estados Unidos e na França, com passagem pela Venezuela, Porto Rico e as Bahamas, de que, não vivendo no Rio de Janeiro, Portugal, em particular Lisboa e o Algarve, reunia as características urbanas, climáticas, humanas e sociais que eu procurava para desenvolver projetos integrados de habitação e lazer para um mercado internacional de nível alto.
A minha avaliação resultou ser correta e, ao longo dos quase 50 anos que aqui estou, criei as duas coisas que mais me importam na vida – os meus 4 filhos e 8 netos, e os meus empreendimentos.
O Portugal que identifiquei nos anos 60 era como se diz vulgarmente no Brasil «Devagar, quase parando».
Nos anos subsequentes assistimos a uma extraordinária evolução em todas as áreas: o desenvolvimento urbano, as indústrias, o comércio, a saúde, a educação e a paz social, a par de um significativo aumento da longevidade, dada a grande capacidade dos portugueses para se adaptarem ao bom e aguentarem o mau. Ainda assim, é importante reconhecer que continuamos desfasados economicamente dos nossos companheiros da União Europeia e arriscamos perder a oportunidade gerada pelo sucesso do turismo e o imobiliário residencial para estrangeiros, assim como para os nacionais. Deixamo-nos embalar pela manipulação das estatísticas e pelos prémios oferecidos por organizações que os comercializam.
O turismo e a atividade imobiliária relacionada cresceram ao longo dos anos de forma quase espontânea, graças às nossas qualidades e atrações conhecidas, com uma pequena atividade de promoção seja por parte do Estado ou dos privados. Estes, por sua vez, mostram-se pouco vocacionados para uma atuação conjunta no sentido de atrair e fidelizar os nossos clientes naturais.
O Governo estimulou o investimento estrangeiro no mercado imobiliário, graças aos programas Golden Visa e Residente Não Habitual. Apesar de algumas críticas internas e outras vindas do exterior, programas desse tipo existem em muito maior escala em países nossos concorrentes, tais como a Espanha.
É imprescindível consolidar um processo que o Presidente da APEMIP, Luís Lima, chama de «união de facto: Imobiliário e Turismo», pelo que essa união tem um impacto crucial no emprego e na construção. Temos de resistir às pressões das autoridades bancárias europeias contra esses setores, o que se deve à timidez das autoridades do setor económico e financeiro portugueses em fazer compreender a importância estratégica que essas duas indústrias têm para o emprego e o bem-estar dos portugueses.
Por outra parte, a pouca disposição dos empresários do setor e das autoridades oficiais do turismo para a promoção conjunta de programas culturais e artísticos que despertem o interesse dos segmentos mais sofisticados dos nossos mercados alvo e que são clientes naturais da sobriedade, bom gosto e hospitalidade do estilo de vida do nosso país.
Devemos reconhecer as lacunas da nossa oferta de atrações no que se refere a museus e à animação, ambos setores muito mais desenvolvidos e abundantes nos países europeus, que são os principais emissores de visitantes para Portugal.
É nesse sentido que, há vários anos, venho acompanhando o absurdo debate sobre a conveniência da existência de um Museu dos Descobrimentos. A maioria dos nossos visitantes, justamente os europeus, estudou os nossos descobrimentos nas suas escolas e chegam a Portugal na ansiedade de ver a ilustração dessa saga. Basta ver a grande frequência da Torre de Belém e da Fortaleza de Sagres, que, apesar não terem nada em exibição, correspondem ao apelo da história.
Berlim tem um museu da história do judaísmo, que incluí o reconhecimento do Holocausto, o mesmo acontece em Varsóvia. Abandonemos pois os complexos de culpa histórica.
Outra grande lacuna nas principais zonas turísticas portuguesas é a ausência de um centro comercial dedicado à produção nacional de artigos de qualidade. Refiro a louça, cristaleria, joalharia, arte, moda, mobiliário, tapeçaria... A grande maioria do que é vendido na Avenida da Liberdade, por exemplo, é de produtos estrangeiros, pelo que o benefício nacional desse grande movimento comercial é praticamente nulo. Os visitantes têm dificuldade em encontrar produtos portugueses. Sugiro a criação de centros comerciais BEST OF PORTUGAL em Lisboa, Porto e Algarve, o que seria não só uma promoção das indústrias portuguesas como também uma grande atração turística.
A verdade é que outros países nossos concorrentes, tais como a Turquia e a Grécia, são muito mais ricos na área museológica e na preservação dos seus grandes monumentos históricos e têm grandes festivais musicais e artísticos, que se repetem todos os anos, fidelizando a sua clientela.
Com objetivo de recolher os contributos de personalidades portuguesas e outras estrangeiras que aqui vivem ou viveram, para que ajudem com a sua experiência, o que pode ser muito valioso para o desenvolvimento do turismo, proponho a formação de um Conselho Consultivo Estratégico para a Promoção do Turismo, para dar pareceres e sugerir propostas de atividades promocionais, com a eventual contratação de organizações especializadas nacionais e internacionais.
Lisboa, o Porto, o Algarve e a Madeira estão bem servidos em matéria de hotelaria e restauração mas carecem de eventos e atrações noturnas.
O anúncio da construção de um novo centro de congressos na FIL da Expo, vem suprir a capacidade de receber grandes eventos internacionais como foi a Web Summit, que, em boa hora, João Vasconcelos conseguiu atrair para nós e o Presidente da Câmara Municipal teve o realismo e a coragem de garantir por longo prazo a sua realização aqui.
Depois de 50 anos em Portugal não tenho queixas e só gratidão, e como português, que também sou, tenho direito de crítica.