VillaseGolfe
Sérgio Rodrigues

Rita Soares

Entrevista Anterior
Sérgio Rodrigues

Sérgio Rodrigues

Próxima Entrevista

Rui Marçal

CEO da KUC Kitchens

Sempre acreditou que a KUC Kitchens teria o seu espaço no mercado, por não haver na altura uma empresa com a mesma filosofia de negócio, mas nunca imaginou que o seu crescimento fosse tão grande e tão célere. Rui Marçal, licenciado em Marketing e pós-graduado em Direção Comercial, criou a KUC Kitchens, uma empresa de cozinhas inovadoras, ousadas no design e exclusivas, porque criadas em sintonia com as pretensões e modo de vida dos clientes. Rui Marçal pretende que a empresa cresça de forma sustentada, porque quer garantir o serviço de excelência que fez fidelizar os clientes.
Rui Marçal
O projeto KUC Kitchens é relativamente recente. O que o levou a criar a empresa?
Pretendia criar uma empresa diferente no setor. Oferecer um produto de elevada qualidade e design exclusivo com um serviço de excelência, mantendo, em simultâneo, uma relação de proximidade, descontraída e despretensiosa com os nossos clientes. Promover uma cultura de interajuda entre todos os parceiros com um propósito comum. Julgo que não existia nesta área nenhuma empresa com esta cultura.

Apostou neste mercado numa altura adversa do setor. Até ao momento o balanço é positivo?
Sim, a altura era adversa, mas tínhamos confiança de que conseguiríamos o nosso espaço. Porém não tinha a noção do que o mercado se viria a tornar e que a KUC seria uma referência no mercado. Não imaginávamos o crescimento que obtivemos. O plano de negócios inicial deixou de fazer sentido no primeiro ano de atividade.
«Ao nível do produto, temos a constante atualização de sistemas e criação de novos produtos e acabamentos»
De que forma a evolução tecnológica é importante neste setor de atividade?
É tão importante como em qualquer setor. Ao nível do produto, temos a constante atualização de sistemas e criação de novos produtos e acabamentos. É um pouco inglório quando alteramos algo no nosso espaço e meses depois já temos ferragens mais evoluídas ou acabamentos diferentes. É um bom ‘problema’, resultante de um grande dinamismo e ao qual nos habituamos. Trabalhamos com software 3D para apresentação do que propomos com o maior realismo possível. Quanto ao serviço, é fundamental ter procedimentos que permitam uma organização mais eficiente. CRM, logística e serviço pós-venda estão a ser servidos por softwares de empresas que desenvolvem constantemente estas áreas.

O que pretende para o futuro da KUC, crescer ou consolidar?
Crescemos bastante. Continuamos a crescer, mas temos a noção de que temos limites acima dos quais não conseguimos prestar um serviço de excelência. Estamos precisamente a trabalhar na implementação de processos que permitam melhorar a eficiência da empresa em diversas áreas e manter os níveis de serviço que nos fizeram crescer e fidelizar clientes. 



T. Maria Amélia Pires
F. Direitos Reservados