VillaseGolfe
· Personalidade · · T. Filomena Abreu · F. Carlos Ramos

Fátima Campos Ferreira

«Passo a passo, está criada a consciência sobre sustentabilidade do planeta»

Villas&Golfe Pub. PUB HOMES IN HEAVEN Pub.
Vidago Villa Pub.
PMmedia PUB Pub.
Durante 18 anos, Portugal e o mundo passaram pelo palco do programa Prós&Contras. A jornalista Fátima Campos Ferreira foi o rosto do debate mais antigo da televisão nacional, dando, todas as semanas, como a própria admitiu, «o corpo às balas» pela discussão e esclarecimento em torno dos temas mais fraturantes da sociedade. Saiu «furada, mas inteira». E deixou como legado um espaço de pensamento vital que engrandeceu a democracia, em horário nobre. Um património documental, digno, que ficou para a posteridade, graças ao profissionalismo e à coragem que só as mulheres como Fátima Campos Ferreira sabem ter. O país agradece-lhe e continua a acompanhar o seu louvável trabalho.

Se lhe fosse possível eleger, quais seriam os momentos que mais marcaram o país e o mundo nestes últimos 20 anos?
Penso que há três grandes acontecimentos que marcam o mundo e o país nestes primeiros 20 anos do séc. XXI: a) os ataques terroristas do 11 de setembro; b) a crise das dívidas soberanas, arrastada pela queda do Lehman Brothers em setembro de 2008; c) a pandemia, que expõe talvez a mais violenta fratura da nossa geração. Sendo que qualquer um destes acontecimentos desenvolve processos de longa duração. 

Profissionalmente, qual foi o momento mais decisivo para si nestas duas décadas e qual o motivo de o destacar?
Profissionalmente, refiro o debate que conduzi e coordenei durante 18 anos. Nos milhares de testemunhos que passaram nesta Ágora que foi o Prós&Contras, fica a atmosfera do Portugal moderno, pós-Expo 98. A sociedade respirou, neste debate, os grandes problemas, as divergências e os projetos, mas também a própria existência humana, e o sentido do Tempo e do Amor. Um acervo de pensamento para gerações futuras.

Qual seria, no seu entender, a mudança mais urgente que o país e o mundo precisariam operar nos próximos 20 anos?
Sem ser otimista nem pessimista, penso que as mudanças se fazem por processos, e na longa duração. A mais importante já começou, mas vai demorar muitas décadas. Passo a passo, está criada a consciência sobre sustentabilidade do planeta. É nela que reside o futuro, e, com avanços e retrocessos, a espécie humana aprenderá, mais uma vez a caminhar em frente.
T. Filomena Abreu
F. Carlos Ramos
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi