VillaseGolfe
António Rebelo de Sousa

A essência do luxo no Turismo

Rita Andrade

Opinião Anterior
António Rebelo de Sousa

Da Relevância das PME

António Rebelo de Sousa

Próxima Opinião

Dias difíceis, dias de aprendizagem

Maria Emília Brederode Santos

Presidente do Conselho Nacional de Educação

Maria Emília Brederode Santos

Que lições retirar para o futuro da Educação deste período dito de confinamento?
No lado positivo, registem-se as respostas rápidas e abrangentes que tanto as autoridades governamentais como toda a sociedade - em especial escolas, professores, alunos e famílias - foram capazes de dar, revelando: atenção a necessidades básicas; solidariedade na oferta de equipamentos e material didáctico por parte de autarquias e empresas; entreajudas de vizinhos, amigos ou simples concidadãos; e a implementação de um sistema de ensino à distância pelas escolas e professores. Uma magnífica lição do que uma orientação racional - assente em dados científicos, em preocupações sociais e na auscultação de todos - pode conseguir; da generosidade e solidariedade de que a sociedade ‘civil’ é capaz; e da capacidade de organização, dedicação e resposta pronta de directores e professores.
Por outro lado, o encerramento das escolas e sua substituição por formas de ensino à distância veio dar maior visibilidade a problemas que já existiam na sociedade portuguesa e mesmo agravá-los: as desigualdades, económicas e culturais, tornaram-se muito mais evidentes – na inexistência ou insuficiência do equipamento necessário ou na impossibilidade da sua manutenção, sobretudo em situações de cada vez maior incerteza e precariedade. Pior: que pais terão a disponibilidade e a possibilidade de ajudar os filhos não só a movimentarem-se nas várias plataformas digitais usadas pelas escolas como na concretização de trabalhos por vezes excessivos e inadequados aos alunos e à situação? Se nalgumas famílias se desenvolveu uma interessante aproximação, noutras a situação criou tensões e ansiedades desnecessárias e negativas.
Daqui se retirará a ‘lição’ de uma necessária formação tecnológica e pedagógica em ensino e aprendizagem à distância de jovens e adultos - designadamente professores.
Esta situação relaciona-se com outra que a crise veio evidenciar: uma concepção pouco flexível do que é a aprendizagem e do que é importante aprender. Terá existido por vezes uma preocupação excessiva com o cumprimento de programas e com a reprodução à distância das aulas presenciais. Ora, a comunicação estabelecida pelos professores com os seus alunos foi muito importante mas mais pelo apoio sócio emocional que proporcionou e pela manifestação de valorização dos alunos e da sua educação.
O ensino à distância será certamente mais utilizado no futuro, complementarmente ao ensino presencial, mas requererá o estudo das suas potencialidades e limites e a capacidade dos professores para se colocarem na pele – e na cabeça – dos seus alunos e para desenvolverem a sua autonomia.
Uma outra ‘lição’ a retirar: a necessidade de promover uma reflexão sobre as finalidades da educação e de como estas podem ser prosseguidas de formas e com métodos muito diferentes, tendo sempre em conta o aluno e a sua circunstância.